Author: Carolina Nogueira (page 1 of 2)

Cuidado com ela

“Cuidado com ele (a)”. Este é um conselho que eu odeio ouvir. Soa sempre como um desafio proposto particularmente para mim pelo locutor da frase: invariavelmente, um amigo ou parente muito bem-intencionado. Querida amiga, mãe, irmão… seja você quem for que me aconselha tão prestativamente, já não deveria saber que farei exatamente o contrário?

Parapente_Canoa_Quebrada

Algum tempo atrás, eu tinha medo de voar de parapente, até um namorado me convencer que seria maravilhoso. Voar de parapente está entre as minhas experiências de vida favoritas. Atualmente, eu planejo um voo de asa-delta da Pedra da Gávea na minha próxima ida ao Rio de Janeiro e penso em como deve ser emocionante um salto de paraquedas. Na minha primeira viagem ao Rio, que fiz com esse mesmo namorado do voo de parapente, recebi muitos conselhos de cuidado e sobre os perigos da cidade. Adivinhem o que aconteceu… Nada de ruim! O Rio de Janeiro é um dos lugares mais lindos que já conheci.

RJ

Quanto ao namorado, ele também foi alvo dos pedidos de cuidado. Às vezes, tem bastante fundamento. Tal e qual o Nego do Borel, tive meu coração partido. Vivi uma das piores fases da minha vida, não apenas depois do fim desse relacionamento, mas durante também. Mas é como diz a música: “meu amor, não tem problema não”. A gente se descuida, se joga sem paraquedas, se estraçalha no chão, sente uma dor danada, mas é tudo metafórico. A dor não, ela é real até demais, mas ela passa e depois te sobram as boas experiências que você viveu por se arriscar.

Eu me descuido com frequência, meu coração não tem alerta antivírus, ele simplesmente não detecta pessoas perigosas. De vez em quando, a gente coloca o coração partido em quarentena e pode ter certeza que depois fica tudo certo. E olha que não estou falando apenas de malwares românticos! Quantas vezes já ouvi: “cuidado com essa menina, ela não é sua amiga de verdade” ou “ela isso”, “ela aquilo”? Já passei vergonha por causa de amigas, já fui erroneamente acusada, humilhada, já apanhei, já tive um, dois, três esquemas involuntariamente compartilhados… Tudo quanto é descuido, pode colocar na minha conta, não adianta, é muito fácil invadir e trapacear meu coração. Mas se você me perguntar, eu não mudaria nada disso. Essas pessoas foram responsáveis por alguns dos dias mais divertidos da minha vida, além do aprendizado que elas deixaram.

A verdade é que, toda vez que ouço a frase “cuidado com ele(a)”, não posso evitar de pensar nas experiências maravilhosas que aquela pessoa pode me oferecer e que, por acaso, o alerta pode ser infundado. Tenho algumas pessoas na minha vida que podem provar isso. Elas são cheias de defeitos, assim, que nem eu e você, por isso, alguns detectores de perigo podem ser acionados, mas, no fim das contas, elas permitem que seu software funcione ainda melhor que antes.

Se você quer saber, eu espero que, vez ou outra, alguém diga sobre mim: “cuidado com ela!” e espero que a pessoa que ouvir esse conselho decida se arriscar mesmo assim. Por aqui, também tem muitos perigos e ainda mais experiências maravilhosas.

eyes

Grimm: Contos de terror, mas nem tanto

Acho que nesse trio (Lahisla, Zilma e eu) todas somos um pouco, ou muito, viciadas em filmes e séries. O Netflix é um amor compartilhado, não só por nós três, mas por você também, eu aposto!

Netflix_romanticNa última semana, voltei a assistir GRIMM: CONTOS DE TERROR (ou simplesmente GRIMM, no original), uma série sobre um detetive da homicídios que descobre ser de uma linhagem de caçadores de seres sobrenaturais. Até aí, a série já tem a minha cara, basta ver minha obsessão por Supernatural, por exemplo (só Deus é testemunha de quantas vezes eu já assisti às desventuras dos irmãos Winchester), mas até o nome da série tem um apelo especial. Grimm traz à tela personagens sobrenaturais baseados nos contos de fadas, relembrando vagamente as histórias originais dos irmãos homônimos da literatura alemã. As referências alemãs, inclusive, estão sempre presentes.

Dean_Winchester_Supernatural

A verdade é que eu acho a série bem leve no quesito maldade e violência, mas tem sido uma quebra bacana para balancear os episódios das séries de sobrenatural e ficção fantástica que estão na moda ultimamente (e já há algum tempo), como The Walking Dead, Game of Thrones, etc. Assisto a essas séries também, e adoro, mas depois de alguns episódios eu fico mentalmente esgotada. Por que não, vez ou outra, trabalhar o terror de uma forma diferente? Que tal assistir a iZombie, ou Santa Clarita’s Diet, ou Supernatural, ou Grimm e rir um pouquinho de tudo isso sem deixar de curtir a adrenalina típica do gênero? Eu digo sim pra isso!

Nick_Smile

Por isso, escolho assistir a uma série cujo personagem principal, o detetive Nick Burkhardt, é descendente dos irmãos Grimm, eles próprios caçadores do sobrenatural, que usavam seus contos para descrever as criaturas fantásticas que assombravam os humanos comuns. Nick e seu amigo Blutbad chamado Monroe, o lobo mau mais bonzinho que você conhecerá, formam uma dupla querida e equilibrada no combate aos seres do mal.

grimm_Nick_Monroe

Anos atrás, quando eu assisti à série pela primeira vez, fiz uma crítica bastante negativa aos primeiros episódios e não continuei a saga. É bem verdade que os efeitos deixam a desejar e até lembram um pouco outras séries do mesmo criador, David Greenwalt, que são Buffy e Angel. Eu amava essas duas séries, mas os efeitos eram bem toscos, né? Super perdoável pra época. Os efeitos em Grimm são bem melhores, mas o estilo permaneceu.

Quando o Netflix adicionou a terceira temporada no catálogo e colocou entre as sugestões do meu perfil, resolvi dar uma nova chance e fiquei surpresa ao perceber que havia desistido nos primeiríssimos episódios. Até esse ponto, você ainda não se envolveu com as personagens nem a série conseguiu mostrar seu potencial. Sejam mais pacientes que isso! Nesta segunda tentativa, eu fui. Acabei de terminar a primeira temporada e estou um pouco viciada, mais nos personagens que na história. Me apeguei, pronto! Dá uma olhada no trailer da série:

Vale a pena dar uma espiada e conhecer o lindo Nick, o querido Monroe, o impulsivo Hank, a corajosa Juliette, o maravilhoso capitão Renard… O melhor é que, como a série já acabou, dá pra assistir tudo de uma vez só (mas no Netflix só tem três temporadas). Se gostar ou não, volta aqui e conta pra mim! Quero saber o que você achou também.

Grimm_Elenco

Planejamento Pessoal – Objetivos SMART

Smart é uma palavra em inglês que, traduzindo, significa inteligente. No contexto do planejamento, quando falamos em objetivos, SMART é um acrônimo* de:

metas-smart-640x454

Em português: específico, mensurável, alcançável, relevante e temporal. O jogo de palavras não poderia ser mais oportuno. Na hora de definirmos nossos objetivos, é fundamental que eles sejam inteligentes e agreguem todas essas características. Antes de dizer o por que disso, vamos dar uma olhada no conceito.

Objetivo

É a descrição concreta de onde você quer chegar, ou o que está tentando alcançar, ou seja, o propósito. Na hora de traçar os seus, vale lembrar da sua visão para os próximos anos, para garantir que seus objetivos te levem até ela.

Sistema SMART

Agora que você já tem sua missão, visão e valores definidos (conforme nossas publicações anteriores aqui e aqui), está na hora de traçar os objetivos e metas que te levarão até lá. O sistema SMART te ajuda a realmente concretizar seus objetivos, evitando que eles sejam vagos demais ou irrealizáveis. Quando você considera a sigla SMART no seu planejamento, está evitando frustrações futuras. Então, sem mais delongas, seguem as orientações para o seu planejamento:

S: Específica (Specific)

Quando uma meta é específica, significa que tira qualquer possibilidade de ambiguidade de seu entendimento. A intenção é facilitar ao máximo a criação de atividades e avaliações desta meta em um futuro próximo. Para isso, trabalhe, sempre que possível, com números! Por exemplo, ao invés de “quero perder peso”, defina: quero perder 15 kg.

Perguntas que podem te ajudar a definir este item: “O que? Por quê? Quem? Onde? Qual é?”.

M: Mensurável (Measurable)

Toda meta precisa ser mensurável. Este é um critério importante para definir se ela realmente foi alcançada. Se a meta não pode ser medida, quer dizer que ela nunca será alcançada. Traçar objetivos específicos e com números contribui muito para essa etapa. Se, como no exemplo anterior, eu defini que quero perder 15kg, o que preciso agora é estabelecer a forma de acompanhar a realização desse objetivo. É necessário fazer esse acompanhamento periodicamente ou você acabará chegando ao prazo limite para atingir seu objetivo com o mesmo peso e não haverá tempo para concretizar sua meta.

Perguntas que podem te ajudar a definir este item: “Quanto custa? Baseado em que valor eu saberei que essa meta foi atingida?”.

A: Alcançável (Attainable)

Ter uma meta difícil demais pode desmotivá-lo, assim como uma meta fácil demais. A difícil pode parecer inalcançável e a fácil que você se subestima.

Perguntas que podem te ajudar a definir este item: “Como saberei se a meta foi atingida? Baseado em qual parâmetro?”.

R: Relevante (Relevant)

Uma boa meta é aquela que traz grandes propósitos para você, de preferência, alinhada à missão e visão que você estabeleceu. Na prática, só você saberá se a meta é relevante ou não para tal.

Não esqueça de avaliar se o conjunto de metas faz sentido para o seu planejamento pessoal.

T: Temporal (Time-bound)

As metas são passos de um planejamento completo. Por este motivo é importante colocar prazo em cada um dos passos. Se você não organizar o seu tempo, com toda certeza, o final será prejudicado. (Ver o item Mensurável)

Com essas dicas e a sua identidade já elaborada, é hora de definir seus objetivos. Isso é muito pessoal, afinal, cada um sabe onde quer chegar e o seu destino é, provavelmente, diferente do meu. Mas, para dar uma última sugestão, que tal estabelecer seus objetivos dentro de algumas áreas de resultado. Para cada uma delas, crie entre um e três objetivos (não adianta criar mil. Foque em poucos para ter resultados). Eu me planejo nas seguintes áreas:

Família; Profissional; Intelectual; Espiritual; Emocional; Financeira; Física (seu corpitcho); Social.

Agora é hora de fazer os seus!

Planejamento pessoal – Missão, visão e valores

Vamos começar esse texto fazendo paralelos entre planejamento pessoal e identidade organizacional. Os conceitos aplicados às empresas podem ser facilmente adotados em nossa busca por propósito e no cumprimento de nossos próprios objetivos. Quer ver?

Missão

A missão é a declaração concisa do propósito fundamental da organização, a finalidade de sua existência, o motivo pela qual foi criada. A missão é como o DNA da empresa, definindo a sua identidade e não costuma mudar ao longo do tempo.

dna_empresa_planejamento

O importante em um planejamento é que a missão comunique de forma clara e objetiva a todos na empresa o que se espera de seu trabalho e também como a organização quer ser reconhecida por seus clientes.

Traduzindo, ao criar sua missão pessoal, você deverá colocar sua essência, o que você espera de sua própria existência nessa vida e como você gostaria de ser visto pelas pessoas. Não é uma tarefa tão fácil, ela exige reflexão e autoconhecimento e, convenhamos, é algo que a maioria das pessoas não costuma fazer de forma consciente.

ser-ou-nao-ser_planejamento

O tempo gasto nesse momento do planejamento vale a pena. Com uma missão definida, que realmente represente você, é possível fazer escolhas de vida de uma forma muito mais fácil e rápida. Com o tempo, sua missão lhe ensina a dizer sim e não para várias situações de acordo com quem você é e o caminho que escolheu seguir.

Observação: Quanto a possibilidade de mudar a missão ao longo do tempo, realmente não acho que a missão mude com frequência se for bem definida, mas a gente muda ao longo da vida e, nesses momentos de transição, vale revisar a nossa missão também.

Minha missão: Fazer a diferença de uma forma positiva na vida das pessoas

Visão

Em geral, os valores são definidos depois da missão e da visão da empresa, esta última representando um estado no futuro: onde você deseja chegar, o que deseja alcançar em um determinado período de tempo. Esse período costuma ser de 5 anos, mas nada impede que você crie também, e desde já, a sua visão para 10, 20… 50 anos! Como você se vê nesse futuro determinado? Lembre-se de traçar metas que sejam possíveis para uma pessoa com a sua missão de vida ou terá muitos planos frustrados no futuro.

visao-de-futuro_planejamento

Confesso que, em meu planejamento pessoal, defino a visão sempre em um plano mais geral, sem entrar em detalhes, uma vez que faço isso (o detalhamento) quando planejo os meus objetivos. Falarei sobre isso mais profundamente na próxima segunda-feira, mas, tendo uma visão geral do seus desejos futuros, vamos voltar aos valores.

Valores

Uma vez que você definiu quem você é e onde quer chegar, está na hora de definir as suas próprias regras e elas são os valores sem os quais você não pode viver e que, ainda por cima, te ajudarão a chegar lá (naquele futuro que você previu)!

Quais são os princípios ou crenças que servem de guia para o seu comportamento? As suas atitudes e decisões envolvidas na busca dos seus objetivos devem ser guiadas pelos valores que você vai definir, para que você exerça sua missão e busque alcançar sua visão. Eu não disse que ia ser fácil. Definir os seus valores, assim como na missão, também exige reflexão e autoconhecimento. Não basta incluir palavras que representam moral e ética se elas, no fundo não representam você. É necessário encontrar um caminho comum entre os aspectos que você acha admiráveis e deseja fortalecer em suas ações, a sua capacidade de vivenciá-los de fato e não apenas em seu discurso, e a possibilidade de que eles o ajudarão a atingir seus objetivos.

Meus valores: Gentileza, resiliência, foco e excelência

Esse é apenas um exemplo, não vou detalhar aqui os meu valores pessoais. Mas você pode, e deve, detalhar os valores, de forma a ter premissas pelas quais se guiar. Isso pode facilitar bastante na hora de avaliar se seu comportamento e atitudes estão espelhando a missão e visão que você definiu.

Quer mais exemplos?

A maioria das empresas costuma colocar sua identidade organizacional em seus sítios na web. Entre nas páginas das marcas que você admira e confira exemplos de missão e valores. Clicando aqui, você encontra o exemplo da Coca-Cola, uma das minhas marcas favoritas.

Planejamento Pessoal – Por que fazer?

agenda_2017_planejamento
Para quem ainda não sabe, sou um pouco obcecada com planejamento. Assim sendo, já pensei no meu ano de 2017 de frente para trás e de trás para frente mais de uma vez. Minha agenda do ano que vem, por exemplo, comprei em novembro, e já está cheia de marcos e planos. Resolvi compartilhar aqui no blog um pouco dos meus motivos e métodos de planejamento pessoal. Vou começar com uma citação de Lewis Carrol em Alice no País das Maravilhas que diz: “Para quem não sabe aonde vai, qualquer caminho serve”.

Outra citação famosa que diz o mesmo é do filósofo Sêneca: “nenhum vento sopra a favor de quem não sabe para onde ir”. Essas frases são repetidas incansavelmente em palestras motivacionais e foi, com certeza, em uma delas que as ouvi pela primeira vez. A questão é que, quando penso sobre isso, tenho o forte desejo de não ser apenas mais um barquinho à deriva. Como boa representante da geração Y, eu preciso de significado!

Isso também ficou claro pra mim quando tive a oportunidade de começar a trabalhar com planejamento dentro de empresas. Fiquei fascinada com as identidades organizacionais. De repente, era muito óbvio que, antes de saber o que eu queria para a minha vida, no presente e no futuro, era necessário me aprofundar um pouco mais em minha própria identidade. Os meus objetivos precisariam estar intimamente ligados à minha missão de vida e aos meus valores para que não afundassem em um barco furado à deriva no oceano.

É assim, então, que começo todos os meus planejamentos, elaborando a minha missão e os meus valores. Hoje, não preciso mais criá-los, já estão bem definidos, mas não há nenhum planejamento que eu faça em que eu não comece reescrevendo esses dois tópicos.

Minha missão: Fazer a diferença de uma forma positiva na vida das pessoas
Meus valores: Gentileza, resiliência, foco e excelência

Isso é uma estratégia não apenas de planejamento, mas de marketing pessoal, e as duas coisas estão completamente conectadas. Para saber onde queremos ir, primeiro precisamos saber quem nós somos e esse processo exige reflexão e tempo. Um professor uma vez me disse que é necessário dedicar tempo para termos tempo. Ele estava falando sobre planejamento e, acredite, o tempo que você gastar planejando será um investimento em muito mais tempo no futuro!

Durante o mês de dezembro, todas as segundas-feiras, farei uma publicação sobre planejamento. Na próxima semana, vou falar um pouquinho sobre como criar a sua própria missão e valores e, assim, decidir o rumo que seu barco deve tomar.

seneca_planejamento

O crush é onipresente

O crush não é um conceito novo, seja no mundo, na nossa cultura ou nas nossas vidas, ele sempre existiu. Indo contra a moda de substituir o maior número de expressões por seus correspondentes na língua inglesa, eu escolho chamar o meu crush de amor platônico. A paixonite é minha e eu chamo como quiser. Nós já falamos sobre esse tema aqui, mas hoje, eu resolvi compartilhar um pouquinho da minha experiência com o amor não concretizado e, olha, a história é longa!

post-amor-header

Era uma vez um crush…

Você pode não lembrar, mas aposto que, desde a primeira infância, você já andava por aí se apaixonando por uns e outros. Se você quer saber, o crush amor platônico é onipresente, ele SEMPRE esteve lá. “Lá onde?”, você me pergunta. Lá, na sua cabeça! E como é difícil tirar ele de lá. Se um some, logo outro aparece. Na minha cabeça, ou, se você for romântica, no meu coração, já bateram ponto MUITOS amores platônicos, a rotatividade por aqui é bem alta.

Sabe aquela música que diz “o primeiro foi seu pai”…? Pois é, na minha lembrança, o pioneiro platônico foi o meu progenitor. Ele que contribuiu com metade da minha carga genética, cuidou e deu carinho, não podia ter outro destino senão virar a primeira paixonite da filha. Até aí, nada de novo. O “pai amor platônico” é quase uma unanimidade. A graça começa quando damos início à vida escolar e, finalmente, passamos a conviver com uma diversificada variedade de potenciais amores platônicos.

Não citarei nomes para proteger a identidade dos envolvidos e a minha privacidade, mas lembro até hoje da minha primeira paixonite do colégio ainda na pré-escola, coisa rápida, mas se repetiu alguns anos depois… O segundo era o menino mais lindo do colégio. Não sei se mais alguém achava, mas pra mim era! Minha maior chateação foi não ter dançado com ele na festa de conclusão do ABC. O encanto quebrou alguns anos depois, quando ele pediu pra pescar na prova. CRUSH. CRACK. POW. Essa primeira desilusão, abalou meu emocional infantil. Foi quando tive uma recaída com o primeiro amor. Mais uma vez, não durou muito. Acho que não tínhamos química!

o-amor-platonico-de-um-coco-por-uma-casquinha-de-sorvete_5348_w620

Veja que isso aconteceu na minha primeira década de vida. Eu era uma crusheira iniciante e inexperiente.  Mas a profissionalização veio antes mesmo de deixar o fundamental. Me apaixonei por colegas de sala, colegas da sala ao lado, primos, primos das minhas primas, vizinhos, garotos do transporte escolar… Tudo isso e eu cheguei ao Ensino Médio sem nunca beijar na boca! Sério, eu fui a rainha do amor platônico! Meu primeiro beijo só aconteceu aos 16 anos e adivinha com quem! Um amor platônico! Essa foi minha segunda desilusão. Não que tenha sido ruim, pelo contrário, mas 5 minutos depois eu não queria ver a cara do então ex-amor platônico pintada de ouro na minha frente. Vai entender!

amor_platonico-1

No Ensino Médio, eu fui apaixonada por amigos, amigos dos amigos, pelo garoto do outro colégio que eu via na parada, pelos atletas da equipe de natação, vôlei e handebol… tudo isso sem dar um beijinho sequer. Eita, vida dura! Mas aí, veio a faculdade, o trabalho, o mundo além das estruturas pelas quais andamos tradicionalmente, e a variedade de possíveis amores ficou ainda maior. Alguns desses amores foram concretizados, outros não. Alguns foram concretizados e depois tornaram-se platônicos… Com o tempo, essa história de crush foi ficando muito complexa, mas o que posso afirmar é que eles sempre existiram e sempre vão existir. Você sabe que eles estão lá!

amor-platonico-o-que-e

O ex enviou uma solicitação de amizade

girl_dream_with_exAcordou com uma sensação estranha no estômago, sem saber se tivera um sonho ou um pesadelo. “Pesadelo, claro! Desde quando sonhar com o ex é uma coisa boa?”, pensou. Pouco depois, à mesa do café, a mãe pergunta:

– Vem cá, e o Fulano, como está? Nunca mais soube dele!

Claro que a mãe não ouvira mais falar dele, afinal, quem fica por aí falando sobre o ex? Ela é que não! Pegou a bolsa, os livros, o caderno, e foi para a faculdade. Mais uma aula da disciplina mais exaustiva do semestre. “Aqui eu vou me concentrar”. Mas o pensamento vagou mais uma vez até aquela estranha coincidência. Primeiro o sonho, depois o repentino interesse da mãe. “E agora, qual o próximo sinal?”.

cellphone-with-heart-notification

Na tela do celular, uma notificação: Fulano enviou uma solicitação de amizade.

 

“Ok, só pode ser uma conspiração!”. Eles já não se falavam há quase um ano e agora isso? Mesmo durante a aula, desbloqueia o telefone sem nenhuma cerimônia, clica no perfil dele e navega devagar pela timeline. “Quem é essa pessoa? Como ele estará agora?”. Para ela, já não passa de um estranho. “Será que ele mudou? Será que casou? Por que me adicionou exatamente hoje, quando tudo já me fizera lembrar dele?”.

A sensação estranha voltou à boca do estômago. Na solicitação de amizade, clicou em aceitar. “É apenas uma rede social e tudo que aconteceu já passou há tanto tempo”…

cellphone-with-heart-notification

Na tela do celular, outra notificação: – Oi!

 

Uma única palavra, uma sílaba, foi o suficiente para que aquela sensação inexplicável se transformasse em um vulcão, queimando-a toda por dentro, avassalador. Por um momento, lembrou das conversas na madrugada, dos beijos, das noites que passaram juntos. Lembrou também das lágrimas que chorou escondida, das noites sem dormir, das palavras ignoradas, da solidão.

Pensou no vulcão dentro do peito e na terrível sensação na boca do estômago. “Tudo isso vai passar, é uma questão de tempo”, ela sabia. “Mas isso ainda não passou”.

De volta ao perfil dele, clicou em bloquear.

Amiga, você sabe quem casou?

O dia começou como outro qualquer: ela tomou banho, arrumou-se, tomou café e foi para o trabalho. É necessário ganhar a vida! Passou a manhã inteira em frente ao computador, almoçou ao meio-dia e voltou para a máquina, onde ficou toda a tarde. A rotina diária é tão repetitiva que chega a ser cansativa, não concorda? Como na música de Chico, “todo dia ela faz tudo sempre igual” e o fim do expediente não a liberta para nada de novo. Há quanto tempo ela vive essa mesma missão diária? Acorda, trabalha, volta para uma noite vazia em casa, dorme, acorda, trabalha…

Já em casa, tira a roupa e toma um banho rápido, só para tirar a fadiga do dia, vai até a geladeira e pega qualquer coisa para comer e liga a TV da sala em qualquer canal, só para passar o tempo. Com o celular em uma das mãos, conecta-se ao Facebook e investiga a timeline para atualizar-se sobre as novidades do mundo e da vida dos amigos. Há quanto tempo ela não sai com nenhuma daquelas pessoas? Já não se ligam e raramente trocam mensagens. Para quê? Está tudo ali naquela pequena tela: quem casou, quem se mudou, quem teve filhos, mudou de trabalho, fez aniversário, saiu para jantar, até quem faleceu…

wallpaper-casamento-16

Mas espera aí! Ela volta um pouco a barra de rolagem. Quem casou!? O Fulano, seu último namorado, exibe as fotos com a esposa. A festa aconteceu no último fim de semana. “Só pode estar grávida”, ela pensa, maliciosa, “começaram a namorar há um ano”! Em quase três anos de namoro com o Fulano, a palavra casamento nunca foi mencionada. Ela começa a se perguntar o porquê.

Não foi só o Fulano que casou, o Sicrano está noivo e o Beltrano há anos mora junto com a namorada. O Facebook acusa que todos os ex-namorados dela estão hoje em relacionamentos sérios. “Qual o problema comigo?”, ela pensa. Manda mensagem para as amigas perguntando “vocês viram quem casou?” e, sim, todas elas já sabiam, mas ninguém ligou ou mandou mensagem dizendo “pensei que você tinha visto”.

Ela deixa imediatamente o celular de lado, desliga a TV e volta para o quarto. Na cama, revira-se a noite inteira. “Qual o problema comigo?”. No outro dia, como em outro qualquer, ela acorda, toma banho, arruma-se, toma café e vai trabalhar. É necessário ganhar a vida!

Cabelo loiro: rotina de tratamento

Na última vez que fiz mechas no cabelo, a quarta descoloração em mais ou menos um ano e meio, perguntei a cabelereira se eu deveria mudar meu xampu. Ela perguntou:

– Por quê? Você usa qualquer um, né?

Né, com toda certeza! Nasci com os cabelos fininhos e ondulados, quase lisos, macios e brilhosos. Sinceramente, nunca me preocupei em trata-los até que um dia resolvi ficar loira. Que tragédia! Não para mim, que me achei muito mais bonita, mas para os pobres fios desamparados sobre a minha cabeça. A cada descoloração, meu cabelo ficava menos saudável e era evidente que eu não poderia continuar comprando qualquer xampu e condicionador na farmácia e apenas rezar para não ficar careca.

Para quem nunca fez nada pela beleza capilar além de usar o pente uma vez por dia, criar o hábito de cuidar do cabelo não foi fácil nem rápido, além de ter afetado meu tempo e meu bolso. Você já deve ter ouvido por aí que “ser loira não é barato”. Para começar, fazer mechas bonitas com uma pessoa confiável custa caro (a não ser que você conheça as pessoas certas!). Depois, vem toda a rotina de cuidados que antes não pareciam necessários. Vou contar um pouquinho aqui sobre o que mudou para mim.

Secar naturalmente

Nunca tive o hábito de usar secador, fazer escova ou chapinha. Meus cabelos secavam ao vento e ficavam uma beleza. Agora, depois de lavá-los, saio do banho com a cabeleira armada tal qual juba de leão assanhado. Pentear e não secar é a receita certa para o desastre (se bem que, por ter o cabelo liso e fino, não fica tão terrível). O jeito foi comprar um secador. Depois, comprei uma escova giratória com vários pentes (salva a minha vida sempre).

escova_mondial

Mas não dá para submeter os fios ao calor sem nenhuma proteção, então comprei um protetor térmico. O primeiro foi da Pantene (juro que não percebi nenhuma diferença com ele). Atualmente, uso o Uniq 1, que, além de protetor térmico, tem outras nove funções (um dia falo mais dele aqui). Uso o de coco, que tem um cheirinho gostoso (juro que não é enjoativo) e estava numa promoção maravilha no Beleza na Web.

Cabelo amarelado

Essa foi uma das minhas primeiras preocupações. Mesmo antes de ficar com os fios amarelos, comprei uma linha desamareladora da Bioextratus (boa e dá para usar em toda lavagem). Depois disso, passei a usar cremes de tratamento desamareladores uma vez por semana (às vezes, 15 dias). No começo, eu comprava, mas tenho uma fada madrinha que me abastece com excelentes produtos: a Glambox (mais uma publicação para o futuro). Assino a caixa de produtos de beleza há algum tempo e amo os produtos que recebo. Cremes de tratamento capilar são meus itens favoritos.

Outro produto que costumo usar para tratar os fios são as ampolas de tratamento da Pantene. Acho que elas são excelentes e tem um ótimo custo-benefício. Para quem não pode investir tanto, esse é um produto que pode substituir cremes mais caros e manter a qualidade.

ampola_pantene

Óleo, muito óleo

Uma das primeiras recomendações que recebi do cabelereiro foi: “use óleo”! O meu maior problema com os fios descoloridos é que eles ficam extremamente ressecados e quebradiços. Além de não poder lavar todos os dias (como eu fazia antigamente) é necessário contribuir com a hidratação dos fios usando óleos reparadores. Já usei o óleo extraordinário, da Elseve e o reparador de pontas da Avon. Hoje, uso dois produtos que vieram na Glambox: um complexo de óleos nutritivos da Natura Plant e o Probentol Derma Hair Spray (que também pode ser usado no corpo).

Xampu e condicionador

Mas e o xampu do começo dessa conversa? Bem, xampu e condicionador foram os últimos itens a serem substituídos na minha rotina. Por ter inserido tantos outros cuidados, achei que trocá-los não seria necessário. Até que um dia olhei pro meu cabelo e me bateu uma tristeza em vê-los tão maltratados. Claro que eles poderiam estar em uma situação pior, mas eu estava acostumada com fios saudáveis, elogiados onde eu fosse. Resolvi trocar o xampu da farmácia por uma linha de uso profissional apropriada para os cuidados dos meus fios. Fui ao Beleza na Web novamente (adoro esse site) e comprei xampu e condicionador Lumino Contrast, da L’Oreal Professional.

kit-loreal-lumino-contrast-profissional-_-2-produtos_

Um xampu para mim, hoje, precisa ter mais do que a missão de higienizar o couro cabeludo, ele precisa contribuir ativamente para a manutenção da beleza e da saúde dos fios.

Brilha la luna

Além de tudo isso que eu citei (se é que não esqueci nada), tomo minhas vitaminas diariamente, afinal, elas também são responsáveis por uma cabeleira saudável, e finalizo tudo com um spray de brilho da OX Vitamins.

E você, quais as suas dicas para um cabelo bonito e saudável?

Férias: quando comprar as passagens

Apesar de estar há menos de seis meses na empresa onde trabalho (emprego novinho em folha e maravilhoso de bom), já comecei a planejar as minhas próximas férias. Não é tão apressado se você considerar que, estivesse eu ainda no trabalho anterior, poderia tirar férias em qualquer período desde janeiro! De um jeito ou de outro, já que quero viajar, planejar com antecedência é mais que recomendado. Isso não significa que eu não posso mudar o roteiro do planejamento (já mudei algumas vezes desde que comecei a pensar a respeito), mas existe um prazo limite para mudar de ideia. Para mim, esse prazo é o dia da compra das passagens.

Minhas férias

Meu plano atual (aquele que ainda pode mudar) é tirar dez dias em fevereiro, logo antes do Carnaval, para curtir linda no Rio de Janeiro (fantasia: pintura corporal, porque vou estar mega gostosa – brinks – falo das fantasias ano que vem). Se eu acreditasse nas companhias aéreas, poderia comprar minhas passagens agora, afinal, quanto mais cedo você compra, mais baratas elas estão. Não! Com tanta antecedência assim (minha viagem será daqui oito meses), as passagens estão mais caras do que em um período mais próximo do voo. Pior que pagar mais caro, seria pagar mais caro e, ainda por cima, ter que lidar com situações como cancelamento, mudança de voos e promoções futuras. Não tenho maturidade emocional pra essas coisas.

rio

Claro que eu também não vou deixar para última hora, primeiramente, porque sou extremamente ansiosa, depois, porque comprar em cima da hora é ainda pior que comprar tão cedo. Não existe promoção de última hora no Brasil e pode preparar os bolsos se precisar comprar uma passagem com urgência. Caro demais!

A dica é:

  • Baixa temporada: compre entre 25 e 40 dias antes do voo.
  • Alta temporada: compre entre 60 e 90 dias antes do voo.
  • Viagens internacionais: vale comprar com o dobro de antecedência, varia de 30 a 120 dias.

47-Passagens-Aereas-promocionaisComo saber se é baixa ou alta temporada? Bem, vale a regra de período de férias escolares, datas comemorativas e feriados em geral para a alta temporada. Mas você sempre pode dar aquela pesquisada no Google, tá!? Aproveita para olhar o clima antes de escolher o período da sua viagem!

No mais, já coloquei meus alertas no aplicativo de busca de voos (uso o Decolar) e dou sempre uma olhada no Melhores Destinos.

Aceito suas sugestões para garantir passagens mais baratas nas minhas próximas férias!

Older posts