Tenho uma família, uma casa, um diploma, um emprego, um salário, amigos, algumas viagens. Não é a melhor casa do mundo, definitivamente não é o melhor salário do mundo e adoraria viajar mais sem sombra de dúvidas, mas é suficiente para muita gente se dizer feliz.

Tá certo que a vida não é sempre um mar de rosas ou um mar de chocolates ou um mar de ______________ (digite aqui do que gostaria que fosse feito o seu mar). Já falei em algum lugar, em algum dia da minha vida, que não acredito em gente “100%” feliz. Não gosto de extremos, nem de absolutos. Sempre tem alguma coisa ou acontecimento que entristece. Enquanto sua porcentagem de tempo em que está feliz continua com a média alta, acho que é super normal.

Mas então por que às vezes nos sentimos tão ansiosos para preencher itens, como se a vida tivesse uma checklist da felicidade? Tenho duas fortes suspeitas para comentar aqui.

  1. As pessoas se sentem confortáveis criando um padrão para tudo: da beleza à quantidade de filhos que você tem. O problema é que nem todos conseguem ou querem alcançar esse padrão. Atualmente, as mulheres são cobradas por terminarem uma faculdade, arrumarem um bom emprego, casarem e terem filhos, serem boas mães e boas donas de casa… Ufa! E tudo antes dos 30, enquanto ainda somos jovens, bonitas e temos muita disposição. Tudo isso vira uma autocobrança enorme, uma pressa de realizar que acaba tendo um custo alto para a nossa saúde emocional.
  2. Somos pessimistas e temos a mania de nos comparar apenas com quem já está onde queremos chegar, esquecendo que a maioria das pessoas talvez não tenha chegado lá ainda ou que mesmo as que chegaram talvez também não estejam felizes. A pressa para realizar tudo que deseja é tão grande que acabamos não identificando os sinais que a vida nos dá sobre os caminhos que devemos seguir.

ansiedade

E, mesmo sabendo disso, é muito difícil controlar nossos anseios e tristezas, né? Não existe uma receita para mudar isso, infelizmente, mas podemos compartilhar algumas dicas com vocês:

  • Procure não se balizar tanto pela vida dos outros, principalmente pelo que publicam nas redes sociais, onde a vida é quase sempre bela demais. Foque em encontrar seu próprio caminho.
  • Faça atividades que te proporcionem prazer e felicidade: correr, dançar, pedalar, ir à praia, ver filmes, ler, sair com amigos, tomar bons drinks etc. Assim, sua rotina será menos pesada.
  • Tome notas dos seus sentimentos, principalmente os negativos, pois externá-los ajuda a aliviar um pouco.
  • Por fim, não hesite em procurar a ajuda de um profissional, caso considere necessário. Psicólogo não é nenhum bicho de sete cabeças.

Fiquem bem. Beijos no coração 🙂

Joga na rede!Share on FacebookTweet about this on TwitterEmail this to someone